Ir para conteúdo do site
Ir para conteúdo principal

Ir para conteúdo

Prefeitura de Serro - MG
Acompanhe-nos:
Facebook.
EnfeiteAGENDA DE EVENTOS

  • Abril 2020
  • S
  • T
  • Q
  • Q
  • S
  • S
  • D
  •  
  •  
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10
  • 11
  • 12
  • 13
  • 14
  • 15
  • 16
  • 17
  • 18
  • 19
  • 20
  • 21
  • 22
  • 23
  • 24
  • 25
  • 26
  • 27
  • 28
  • 29
  • 30
Notícias
Enviar para um amigo!
Indique essa página para um amigo com seus dados
Obs: campos com asterisco () são obrigatórios.
Enviando indicação. Por favor, aguarde...
JAN
08
08 JAN 2020
ADMINISTRAÇÃO
Serro sediará o 36º Festivale – Festival de Cultura Popular no Vale do Jequitinhonha.

O Festivale Serro - 2020 acontecerá na cidade de Serro nos dias 26 de janeiro a 1 de fevereiro.

O evento reúne anualmente artistas, cantadores, atores, folcloristas e inúmeros apreciadores da cultura para uma grande festa popular. São feiras de artesanato e folclore, cursos, oficinas de teatro, artes plásticas, regadas com muita música, teatro e dança.

Esta edição do Festivale teria acontecido em setembro de 2019, mas foi adiada para janeiro de 2020 em razão de acertos com os órgãos e entidades financiadoras.

Entre as atrações do Festivale destacam-se Festival da Canção, Noite Literária, Feira de Artesanato, apresentações de grupos de cultura popular, teatro e oficinas.

As atividades ocorrerão durante toda a semana em diversos locais na cidade de Serro. A secretaria executiva do Festivale será instalada na sede da Secretaria de Desenvolvimento Social a partir do dia 20 de janeiro, onde os interessados em oficinas e atividades artísticas poderão se inscrever. A programação completa será divulgada nas redes sociais.

Conheça a História do Festivale.

Idealizado nos anos 70, o Festivale tem como objetivo preservar a cultura do Vale do Jequitinhonha. Criado em 1978 por jovens universitários da região, residentes em Belo Horizonte, ligados ao jornal Geraes, eles se autodenominaram “Filhos do Vale”, que incluíam Aurélio Silby, Carlos Figueiredo, George Abner e Tadeu Martins.

A proposta colocada pelo jornal era: “dar voz e vez aos trabalhadores da região e mostrar o homem do Vale, suas realizações, seus sonhos e sua luta por melhores condições de vida”. Isso levantou a discussão política e cultural no Vale.

Tadeu Martins, um dos idealizadores do Festivale, conta sobre o início do movimento: “Em novembro de 1979, o jornal promoveu o ‘1º Encontro de Compositores do Vale do Jequitinhonha'. Eram 22 compositores de 15 cidades da região, que nunca tinham se encontrado para mostrar suas canções.

O evento deu tanto resultado que, em pouco tempo, se transformou no Festivale, para ser a reunião anual de todas as manifestações culturais da região: músicos, poetas, artesãos, congadeiros, foliões, batuqueiros, escritores, repentistas, cantadores e contadores de ‘causos', escrevendo juntos “A vida do Vale em verso e viola.”

Segundo Tadeu “é preciso que o Vale se conheça. Só quem conhece, gosta. Só quem gosta, defende. Só quem defende, divulga. E é divulgando que defendemos, porque gostamos e conhecemos, e assim vamos ajudar a desenvolver o Vale do Jequitinhonha.”

Esse encontro foi tão importante que, no momento seguinte, com grande êxito, os participantes percorreram cidades mineiras apresentando um show, cujo cartaz causou grande polêmica ao exibir fotos 3x4 dos participantes sob o título de Procurados, à maneira de como a polícia, em plena ditadura militar, tratava os revolucionários obrigados a viver na clandestinidade.

O crescimento do Festivale

Inicialmente foi um festival de música, onde cantores e compositores, até então desconhecidos, puderam mostrar seus trabalhos, revelando ao povo brasileiro grandes talentos, como Paulinho Pedra Azul, Tadeu Franco, Saulo Laranjeira, Rubinho do Vale, Pereira da Viola e tantos outros.

Nos anos seguintes, o festival de música foi se abrindo a outras formas de cultura. As feiras de artesanato são acompanhadas das mais diferentes manifestações folclóricas da região, guardiãs das histórias vivas do povo. Em seguida, passa a contar com equipamentos e cursos para trabalhadores rurais. E assim, veio também a “noite literária”, um concurso de poesias de autores do Vale. A certa altura das edições, o festival obteve de tal forma a simpatia e o apoio do povo da região, que chegou a contar com mais de cinco mil participantes, como, por exemplo, no festival de Medina.

A cada ano, o evento ocorre em uma das 85 cidades que compõem o Vale. O Festivale já percorreu 17 dessas cidades, revelando grandes talentos, muitos deles, já compondo o elenco de personalidades da literatura e da arte brasileira, cantando a vida do povo, suas dificuldades e suas conquistas.

Instrumento de resistência do Vale do Jequitinhonha

Distante da capital, com uma população que tem origem entre os camponeses, a região, como tributária de toda opressão das metrópoles, faz preponderar um folclore legado de geração a geração, com raízes fortes e profundas.

Apesar do alcance da cultura urbana pelos meios de comunicação de massa, as tradições e o folclore teimam em se manter vivos, mesmo nas cidades. Isso pode ser observado nas diversas músicas de domínio público que os intérpretes gravam constantemente, a exemplo do Coral das Lavadeiras de Almenara, um CD organizado por Carlos Farias, onde as trabalhadoras interpretam as músicas, em sua maioria de domínio público, cantadas na labuta diária nas margens do Rio Jequitinhonha.

Ou ainda, o artesanato de barro ou madeira, materializando as feições de um povo sofrido, que tanto luta pela sobrevivência.

O Festivale levanta questões sociais e políticas que remetem diretamente às condições de vida da população. Ele é um instrumento de resistência contra a política de destruição da cultura popular. Apesar das dificuldades para sua produção, ele resiste ano após ano. E vem crescendo, alimentado pela força destas populações, tornando-se capaz de impulsionar cada vez mais a vontade de resistir e lutar pela chama dessa rica cultura.

 

O Vale do Jequitinhonha, tão aclamado com o slogan de “Vale da Miséria” apenas para fazer alardes sobre a pobreza e nunca para resolvê-la, jamais tem as suas verdadeiras qualidades exaltadas — como a sua literatura e arte — pelos governos e pelo monopólio das comunicações.

No Vale é fácil perceber que o folclore e a cultura popular não são coisas mortas, imóveis, velhas, manifestações do tempo dos avós, que não existem mais. Ao contrário, elas são parte da vida do povo, na sua origem e nos seus costumes. Embora estejam em transformação constante, são permanentes, pois expressam a vida e a coragem do povo pela luta diária.

A realização do Festivale reproduz o que existe no cotidiano de uma região brasileira. Mostra o trabalho do povo do Vale e do povo brasileiro. Não é arte que agrada somente aos velhos, mas também a moços, crianças e adolescentes.

FONTE: José Augusto Francisco Pereira

Diretor executivo da FECAJE - Federação das Entidades Culturais e Artísticas do Vale do Jequitinhonha.

Logo Rodapé
Informativos Informativos da Prefeitura | Cadastre-se
Saiba como chegar | Clique aqui
Tempo 1
04/04/2020

IUV = 11.0
25°C MIN 31°C MAX
Tempo 2
05/04/2020

IUV = 11.0
20°C MIN 25°C MAX
Tempo 3
06/04/2020

IUV = 11.0
22°C MIN 28°C MAX
Tempo 4
07/04/2020

IUV = 11.0
22°C MIN 31°C MAX
Tempo 5
08/04/2020

IUV = 11.0
22°C MIN 28°C MAX
Tempo 6
09/04/2020

IUV = 11.0
20°C MIN 23°C MAX
Localização Localização:
Praça João Pinheiro, 154 - Centro
Serro / MG - 39150-000
Contato Telefone para Contato:
(38) 3541-1368
Atendimento Horário de Atendimento:
Segunda-feira a Sexta-feira das 09:00 as 15:00 horas
© Copyright Instar - 2006-2020. Todos os direitos reservados.
Seta
Copyright Instar - 2006-2020. Todos os direitos reservados - Instar Tecnologia Instar Tecnologia